O Projeto “De Frente ao Patrimônio Nevense: Educação, Cultura e Identidade Territorial”, fará o lançamento oficial de seu Mini-Documentário na sexta-feira, dia 19 de novembro, no canal da WeTvSemifusa via plataforma do youtube.


A Iniciativa sobre o patrimônio cultural nevense, seus desafios e suas potencialidades, incluindo estruturas de pesquisas, e presenças institucionais, visa construir um diálogo crítico sobre a identidade nevense a partir do reconhecimento e ocupação de seus espaços.


Idealizado pela historiadora Maria Clara Ribeiro Soares e composto por uma equipe multidisciplinar, o documentário seguiu uma linha de exposição de pontos que são referências do patrimônio histórico e cultural do Município, assim como novos espaços de encontros e expressões das artes.


A proposta central da circulação e filmagens foi de proporcionar reflexões acerca do reconhecimento, dentro do município, dos locais de interações e ocupações pelas pessoas, enquanto pontos de encontros, sociabilidade e reforço ao sentimento de pertencimento. De forma crítica, o documentário aponta para novos caminhos referentes à conservação e uso de alguns dos monumentos da cidade, assim como observa novos usos e formas de se relacionar com lugares ainda não reconhecidos oficialmente pelo poder público como patrimônios.



O mini-documentário “De Frente ao Patrimônio Nevense”, contou com ampla articulação de parcerias no Município, incluindo artistas, mestres e mestras, produtoras culturais, e pautou a descentralização de atividades socioculturais dentro de Ribeirão das Neves. O Doc conta com trilha sonora original e o apoio do Instituto Cultural Semifusa.


Serviço:.


Lançamento do Mini-doc: "De Frente ao Patrimônio Nevense: Educação, Cultura e Identidade Territorial"

Data: 19 de novembro de 2021 (sexta-feira)

Horário: 19h00

Plataforma: WebTvSemifusa, acensado o link: https://youtu.be/uLBH1JYtnzc

Transmissão Gratuita


O Projeto "De Frente ao Patrimônio Nevense: Educação, Cultura e Identidade Territorial" foi contemplado via fomento da Lei Aldir Blanc (Lei 14.017/2020), com a aplicação dos recursos vindos do Fundo Nacional da Cultura (FNC), e aplicados na esfera municipal de Ribeirão das Neves, do Edital Nº 009/2020 - de Fomento à Cultura, via Lei Emergencial Aldir Blanc (Ribeirão das Neves/MG).


26 visualizações0 comentário

Primeiro single do músico traz duas canções inspiradas em mestres do Samba brasileiro


O músico, cantor, violonista e compositor Talmer Oliveira, artista residente em Ribeirão das Neves-MG, lança seu primeiro single intitulado, “Ai Quem me Dera”, com as músicas “A Fábula dos Pássaros do Cerrado” e a que dá nome ao trabalho, “Ai Quem Me Dera”. As duas composições são inspiradas nos grandes mestres dos clássicos do Samba brasileiro, como Dorival Caymmi, Adoniran Barbosa, Jamelão, Monsueto, Cartola, João Bosco e Chico Buarque. A música “A Fábula dos Pássaros do Cerrado” foi composta por Talmer Oliveira e escrita por ele e sua companheira Deisy Santos. A temática da canção paira sobre o trágico e o absurdo que é a irresponsável interferência humana sobre a natureza e os animais, desencadeando na destruição da fauna e da flora terrestre, sobretudo, no Cerrado. A música “Ai quem me dera” é inspirada nos tradicionais sambas de breque de teor cômico e social. Na antiguidade, o filósofo Aristóteles afirmou que a comédia era destinada aos homens inferiores, fato reproduzido até nossos dias atuais, no cinema, na televisão e em todas as artes que reproduzem a vida das pessoas humildes como cômica e banal. A proposta da letra dessa canção é de desconstruir essa banalização da vida das pessoas humildes e socialmente excluídas, afirmando suas lutas e vivências. O lançamento é pelo selo Semifusa Ecos, nova iniciativa do Instituto Cultural Semifusa que objetiva a distribuição digital de música com foco em artistas periféricos.


O single será lançado nas plataformas digitais no dia 3 de setembro de 2021, e haverá live no canal do YouTube de Talmer, https://url.gratis/ElPDKQ, às 19h.



Sobre Talmer Oliveira:


O músico e compositor Talmer Oliveira, possui Licenciatura em Música - Habilitação em Instrumento (Violão), pela Escola de Música da Universidade do Estado de Minas Gerais (2021). Atualmente é graduando do curso de música (bacharelado em violão) pela Escola de Música da mesma Universidade (UEMG). É professor de musicalização, percepção musical, violão clássico e popular, flauta transversal, flauta doce, dentre outros instrumentos. Leciona no Quilombo Nossa Senhora do Rosário de Justinópolis, no projeto “Rebolo” e na Corporação Musical Heitor Villa Lobos, onde é membro desde 2007, tocando flauta transversal. É também integrante da Camerata de Violão, e do grupo de Choro da UEMG. Atua como coordenador do Bloco Trem Di Doido e possui diversas parcerias com músicos e instrumentistas. Talmer faz apresentações em eventos de música popular com voz e violão.


O single é uma ação aprovada via Edital da Lei Aldir Blanc do Ministério do Turismo e do Governo de Estado de Minas de Gerais.




116 visualizações0 comentário

Agosto é aniversário de 12 anos do Bolinho, o personagem mais simpático de BH e quem ganhou o presente foi Ribeirão das Neves. Os grafiteiros Raquel Bolinho e Leonardo Snake presentearam a cidade com um lindo grafitti na Upa Justinópolis.


O Bolinho leva alegria e cor às ruas da cidade, já foi pintado nos mais diversos suportes urbanos, sempre incorporando personagens do mundo pop, dançando as músicas mais tocadas e brincando com os memes mais atuais, e com isso se tornou famoso no cenário da arte urbana.

Segundo Raquel Bolinho “Todo aniversário do personagem é o momento de relembrar o que aconteceu nesse tempo e também planejar os próximos anos do Bolinho, é emocionante porque o Bolinho era um projeto despretensioso, não imaginava trabalhar com ele e nem por tanto tempo assim e agora tudo na minha vida gira em torno do Bolinho. Eu fico feliz de relembrar as coisas legais que o Bolinho já fez e o objetivo é se programar para fazer mais”.

Sobre projetos futuros, Raquel Bolinho afirma “O projeto futuro do Bolinho é o mesmo de sempre, continuar pintando, espalhando o Bolinho pela cidade - esse é o ponto mais importante. E a ideia é diversificar a forma de fazer isso, seja em novos lugares, cidades, exposições, produtos e formatos.”



O Bolinho atualmente virou um símbolo da cidade, ganhou fãs tanto dentro do movimento do grafite quanto do público em geral. Os fãs vivem à caça dos Bolinhos pela cidade para tirar fotos, tem gente que tem até coleção de fotos com o personagem. E o sucesso com o público infantil cresce a cada dia, as crianças amam os Bolinhos. De acordo com uma seguidora “meu filho de 3 anos anda por BH procurando pelos Bolinhos, ele já ama e os reconhece”.

O Bolinho faz parte da memória afetiva do belo horizontino, sempre marca boas histórias e lembranças das ruas da cidade. Um seguidor enviou a seguinte mensagem: “O Bolinho me acompanhava sempre que voltava da aula, porque sempre via ele do caminho, com o passar do tempo fui notando que tinham vários na cidade toda e eram diferentes…hoje eu ando por aí caçando bolinhos, e eles me alegram, e sempre que vejo eles me sinto feliz e dou um sorriso”.

Como a arte urbana é sempre dinâmica, muitas pinturas são apagadas, muros derrubados e assim os bolinhos vão ficando na memória, mas o público nunca esquece. “Eu vi alguns bolinhos na rua onde não dava para parar o carro e descer e tirar foto. Mas um dia, um lindo dia eu achei o bolinho que existiu na avenida do Canal do Caiçara, eu parei o carro desci e atravessei correndo! Tirei uma foto com o bolinho drácula, um dos meus favoritos até hoje. Ele não durou muito tempo, pintaram o muro. Mas eu vi, vi de pertinho, eu tirei foto e vou lembrar dele para sempre”. Tem seguidores que mandam mensagens com denúncias sobre as pinturas apagadas e pedem outras, sugerem temas. A interação é muito grande.

Muitos educadores também utilizam o personagem como instrumento pedagógico nas suas aulas, além da temática das artes. “Eu dou aulas e o amor pelo Bolinho é tanto que sempre utilizo como plano de fundo para projetos com os alunos. Adoro trabalhar o sentimento de pertencimento, trabalhar a história e cultura de BH. E o Bolinho não pode ficar de fora. Agora tenho alunos procurando bolinhos e me contando quando acham um novo”.

No dia 25 haverá o lançamento, no canal do youtube do Bolinho, de um vídeo sobre a história desses doze anos do personagem e para finalizar as atividades, no dia 27 haverá a abertura da Mostra de Arte do Bolinho no espaço da Loja Nephew do Mercado Novo, com entrada gratuita para o público.

Mais informações Instagram: https://www.instagram.com/querobolinho Email: contato@querobolinho.com.br Youtube: quero bolinho graffiti

8 visualizações0 comentário